17 fevereiro, 2011

O teor do precipício


Queda e câmera lenta, teus olhos de aumento fatiando quadro a quadro a fração do meu segundo. Retroativo amor à toda vista e o auge se refaz quando em teus olhos reconheço o teor do precipício. É essência em pó que deixei molhar, amargura diluída em sede que te resolvi minar. É teu corte em meus pulsos, impressões e digitais que compõem em mim cena criminal. O cheiro e sabor da tua pele, o beijo em tua boca e ela em minha nuca e fomos feitos de toda imaginação (sempre retrátil, por vezes portátil). Um trocadilho de eterno cunho passional. 



image by FernandoScheidt

6 comentários:

Letícia Palmeira disse...

sempre retrátil, por vezes portátil

*-*

Minha nossa, Coolmadre. É tão tudo.
Lembrei que preciso amar mais.

Bjo.

Maíra K. disse...

Ãs vezes amar pode parecer um crime. =/

Edwaldo Generozo disse...

Bom...

Paixão disse...

fazia tempo que eu não vinha aqui ...

aaah, gosto tanto de te ler sonhadorazinha
saudade de vc ...

beijos

Luciana Romano disse...

Adorei! Parabéns!
É como se sente quando a paixão vem morar pra perto...

Anônimo disse...

profundo ..