04 abril, 2011

Sabor convulso

Esvaziar-se. Exaurir,
perder toda propriedade.
Percorrer, transcorrer,
escorrer caminho, ladeira
 (abaixo).

Deixar fluir
a imantada capacidade de florir
essa tesa lástima de amor fluído
atormentado
pelo sabor convulso do querer.

Atirar-se, adormecer.
Calar profunda a voz e dor
do confuso amor, obtuso,
 com que grita melodias puras,
de angústias cruas.

De verdade.
De vaidade.

Teu calor imperdoável,
seu viver de validade escassa,
o existir, não-pertencer de uma chama,
dessa bruma, desse sol,
desce chuva.

Nenhum comentário: