13 julho, 2011

Flagelo

Sorrateiro bicho
Manobrista de si

Camuflado à caça
Por derradeiro capricho

Soletrando em silêncio
Salientes súplicas

Com lábios sísmicos
Tomados de pertinente vício

Flagelo

Um sol azul
Concebido em céu amarelo.

Um comentário:

Letícia Palmeira disse...

Poesia. Só de ler já te idolatro.

Lembrei de um bicho que eu criava e mandei soterrar. Amarelou.