22 setembro, 2012


A verdade é tão fria
e o chão.
Cada fôlego que eu busco
faz do chão tão frio. E sujo,
silencia com a chuva
que não é.
Porque a verdade é fria
e suja.
E não tem onde se esconder
da chuva, que é fria.
E suja o chão
que é verdade.
De onde vem o fôlego
que eu busco
caída,
fria como a chuva
que não cai,
destrói.





4 comentários:

Luis Eustáquio Soares disse...

agora sim, vivemos ao vi-vermos
b
l

Paixão disse...

queria eu ter escrito esse!

amei!

Dulce Miller disse...

Que o Natal seja mais um momento em que todas as pessoas acreditem que vale a pena viver um Ano Novo. Boas festas, abraços de muita luz e paz! :)

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.