25 outubro, 2013

Abstração


Será viver a percepção do pulsar do coração a olhos nus?
Será real a versão dos meus olhos sobre da vida?
Certo é que algumas certezas não passam de grandes equívocos.


Devo pedir a quem que Deus me ajude? 
Há tanta coisa ao meu redor, dividida entre o que é real e o que não deveria ser
E as lágrimas que caem ao lado meu não justificam o meu adeus. 

Então, eu me pergunto até quando, meu Deus?
Até quando hei de suportar o calafrio inconsequente de sentir
E a fúria do sangue que corre pelas veias como um animal que não sabe aonde ir?

A verdade é que o silêncio se encarrega do que restou
Ninguém vai chegar, e nem vai interromper esse meu rito
de recolher pelo chão as frações do que não sou.




"Like time
There's always time
On my mind
So pass me by
I'll be fine
Just give me time"

Nenhum comentário: