28 outubro, 2013

Vermelho acinzentado





A silenciosa falta me põe a pensar em você e na obviedade desse amor absurdo. Você e a ventania, você e meus espasmos. Muito do meu tudo se resume em você, de um modo simples e absoluto. Você e um sorriso assustado. Você, a poeira molhada e o terceiro raio. E se não te amo, você é o próprio amor. O amor que eu não tenho, o amor que eu não sinto. Mas, se não for amor, será ventania. E quanto a mim? Sou a escuridão seguida do quarto raio, a janela aberta por onde a chuva entrou. Ou, talvez, só uma folha seca que a tempestade derrubou.

Crédito da imagem: BeatrizMartinVidal

Um comentário:

Paixão disse...

Nossa, sonhadora arrepiei!
Essas faltas e excessos. Essas ausências presentes em tudo que não mais existe ...

Eita história que só muda de personagem ...